Saturday, March 08, 2014

  •      Aqui quem vos fala é um cadáver. Ou o que sobrou de mim depois de uma das piores semanas da minha vida. É duro não ter mais de onde tirar energia pra continuar. O grotesco, o absurdo e a crueldade da realidade me atacaram sem cerimônia ou respeito. E eu terminei a semana me sentindo menor e pior. O trabalho me enlouquece e amesquinha, força destrutiva e violenta.
  •     Pizza boa e barata no The Globe ontem de noite. E as piores cascas de batata fritas que já provei.
  •     Hoje eu já acordei cansado. E sem luz no prédio. Assim: Sem eletricidade nada funciona nessa casa, não há água nos chuveiros e pias, não se pode escovar os dentes pois a escova  elétrica está descarregada, o bebedouro da geladeira não funciona, o wi-fi também não, a chaleira é elétrica e não dá nem prum café ou chá, não dá pra lavar roupa, não dá pra sobreviver, simples assim. Casa extremamente técnológica dá nisso.
  •     Fomos todos pra rua aproveitar o dia de sol, a primavera, o colorido das ruas e das pessoas. Café da manhã no quiosque vietnamita do Broadway Market, que parecia mais o Afeganistão de tanto hipster de barba longa. E fomos pro Spitalfields andar por aí, sem destino. Eu e Josephinne arrastando uma Duquesa emburrada e ranzinza com tudo e com todos.
  •    O Cat Café da Bethnal Green Road só aceita reservas pra agosto, sucesso total. E eu desesperado pra tomar um cházinho com biscoitos acariciando um felino.
  •    Uma cervejinha e uns petiscos num pub novo.
  •    E o Grand Budapest Hotel. Que raio de elenco é esse? Tudo de bom, tudo de lindo. E Tilda Swinton? Tem Tilda Swinton, gente, tem Tilda Swinton.  Não existem palavras pra descrever ou classificar Tilda Swinton. No meu vocabulário, Tilda Swinton é adjetivo de grandeza. Quando algo é extraordináriamente lindo e genial eu digo que é Tilda Swinton. E posso passar o resto dos meus dias repetindo Tilda Swinton, Tilda Swinton, Tilda Swinton. Feito disco quebrado, feito eco em precipício.
  •     E advinhem quem também é minha vizinha? Não é Tilda Swinton, mas aquela outra que parece ter a missão de destruir qualquer coisa em que atue, a insuportável, a aborrecida, a desmaiada Kiera knightley.
  •     Eu estou evitando pensar na semana que vem pra não ter uma crise de choro.
  •     Chegou a primavera. E, como sempre eu me apaixono de novo. London vira o melhor lugar pra se viver nesse mundo cruel. Mas o tempo não pára, esse romance tem os dias contados, essa cidade virou uma cortesã exigente e eu sempre fui um amante dedicado e sem tostão. Vai ser o mais dolorido de todos os fim de caso.   
Post a Comment