Sunday, January 05, 2014

    Faz um sol enganador pelas ruas da cidade. Daqueles que te enchem os olhos de ilusões tropicais  pra em seguida te encrespar peles e poros com frios glaciais. Nada é o que parece ser. Brilhos e bolhas enganosos. Perigos escorregadios.
    Eu acordei lúcido e afiado. E olho o espaço ao meu redor. Livros, mesa, saleiro, caneca de chá. A Gal suave e distante na vitrola. Desejos pelo ar.
    A imobilidade veloz do tempo.
    Eu.
   A minha vida é feita de vácuos. Caixa de papelão vazia. Onde nada nunca acontece. E cios de cão sarnento em calçadas de concreto em ponto de ebulição.
   Bom mesmo era ser Rimbaud na África, Saint Jean Genet.
Post a Comment