Saturday, December 07, 2013

    Hoje eu fui cedo pro West End, antes que os loucos jingle bells invadissem as calçadas com suas sacolas e seus desesperos. Queria um livro pra ler, já que abandonei o Kadosh da Hilda Hilst pela metade. É que a Hilda exige tempo, calma, entrega. E os tempos são de passos rápidos e olhares de relance. Deixei pra depois, talvez pros dias vazios e silenciosos entre o Natal e o ano-novo, quando tudo é nada e eu me fecho na bolha silenciosa da casa vazia.
    Então baixei na Foyles da Charing Cross Road(das poucas livrarias decentes que sobraram nessa cidade desalmada) em busca de algo bom, novo e excitante. E quase não achei, estabanado que sou, sem saber o que quero e desconfiado das sutilezas do marketing.
   E voltei pra casa, mais uma vez, com Clarice.  A descoberta do mundo- Crônicas para o Jornal do Brasil de 1967 a 1973.
   Eu sempre esbarro na Clarice pelas livrarias em horas de agonia, sempre. Mas não sou membro da igreja que se formou ao seu redor depois de morta. E descobri Clarice muito tarde, como muitos. E foi uma revelação. Antes eu sabia dela, gostava do que sabia, da vaga noção do que ela representava. Eu, que gosto tanto dos estranhos e esquisitos. Mas ler Clarice é outra coisa, experiência única. E acho uma pena que todos não o façam mas vivam por ai jogando citações fora de contexto, diminuindo e sujando. Enfim...  Mas Clarice também nunca foi fácil de ler, senhora exigente e um tanto Tirana. Mas estou adorando as crônicas, que são mais leves, simples, até alegres. Sem por um Segundo perder a agilidade do olho de gata de unhas afiadas.
   A moça do caixa olhou pro livro e murmurou: "I love Clarice", como se reconhecendo outro iniciado em uma seita satânica. E foi um papo bom, ela me disse que a livraria tem quase tudo de Clarice em Inglês, eu falei da biografia escrita pelo Benjamin Moser e nos despedimos com sorrisos cúmplices de quem divide segredos.
   Agora eu fico aqui: Noite fria, Clarice, cookies de chocolate e chá. Até que o mundo se acabe ou seja amanhã de manhã.
Post a Comment