Sunday, March 10, 2013

   Já cheguei em casa faz tempo, o aquecedor está ligado, mas ainda é tudo frio. A mesa é fria, as maçanetas, os pratos nas gavetas da cozinha. E a minha pele. Pele fria cadavérica. E a semana vai ser toda assim. Parece, disseram, declararam na TV. E o ingênuo aqui andou celebrando a iminente chegada da primavera. Antes do tempo.
    Os muçulmanos de Whitechapel com casacos, cachecóis e luvas por sobre seus panos coloridos, suas barbas longas. Faz frio. Faz frio no Broadway Market, na Hackney Road, na City Road, faz frio em Barking e Belgrave Square.
    O pior de tanto frio é que dentro de mim já é calor, eu já havia decretado a mudança de estação psicológica. E o choque entre o calor de dentro e o frio de fora dói. Dói nos pêlos dos braços, nas pontas das unhas, nos cílios e nas sombrançelhas.
   Sopa marroquina de galinha pré-pronta no microondas, baguette, manteiga com sal, Cherry Coke. Na vitrola ela ainda canta. O calor de dentro tenta derreter o frio de fora. O frio de fora tentar congelar o calor de dentro. Quando tudo o que eu queria era ser morno.
Post a Comment