Friday, June 22, 2012

   A minha vida é um livro que eu deixei entreaberto. Que é pra eu poder me fingir de esfinge, decifra-me ou te devoro. Mas sou uma esfinge patética, sentada majéstica e orgulhosa no meio do deserto, pensando ser impenetrável, enquanto todos sabem das minhas fragilidades e falhas e passam por mim, fingindo respeito e medo enquanto continuam no seu caminho até as pirâmides. E eu sigo aqui, orgulhoso, me esfarelando aos pedaços sob o sol inclemente dos faraós, tentando me agarrar aos falsos mistérios baratos de mercado arqueológico, sobreviver de enigmas.
Post a Comment