Thursday, November 03, 2011

Choveu a tarde inteira. E eu aqui cansado, irritado, de ressaca. Eu nem queria sair de casa, mas fui forçado, precisava comer. E também precisava ir buscar o Evening Standard. Sim, eu leio o Evening Standard, desisti de ser inteligente e culto, quero ser de mediano pra baixo. E o ES anda me parecendo uma delícia com suas fofocas, celebridades e patrulha moral. Dane-se. Eu ando mesmo cansado de tudo. Tirei o dia de hoje de folga, não trabalho amanhã ou sábado ou domingo. Me deixem, me larguem, me soltem. Olheiras e rugas.

          *     *     *

Então fica decidido: Vou ser um amor de pessoa.

          *     *     *

Eu não tenho grana. Eu não tenho casa. Eu não tenho carro. Não tenho plano de saúde, planos pro futuro, plano B. Eu me sento com meus amigos na mesa de um buteco qualquer, nós falamos obscenidades e morremos de rir.

          *     *     *

Ele me detesta. Mas no facebook é dos meus melhores amigos. Tempos modernos.

          *     *     *

Eu gosto de livros. De livros de verdade, não dessas novas engenhocas maravilhoso mundo novo. Eu gosto de papel, do cheiro fresco de tinta, da arte nas capas, do peso nas mãos. E morro de saudades daqueles livros pequenininhos, os livros de bolso, que sumiram faz um tempo enorme. Eu gosto de livros de todo tipo. Os livros de capa dura são aqueles que eu realmente gosto, que sei que vou querer reler, querer olhá-lo vez por outra meio reclinados na prateleira, vou querer tocá-los de novo, acariciá-los(sim, me chamem de louco, eu acaricio demoradamente meus livros). Já os livros de capa mole e papel barato são pra eu carregar na bolsa e ler no trem, no metrô, no ônibus, andando pelas calçadas da cidade(o que é sempre um perigo), são pra eu rabiscar sem remorso, amassar, dobrar, fazer orelhas, deixar marcas dos dedos gordurosos de fast food, de suor, de manchar de café, de chocolate, de esquecer recibos diversos por entre as páginas, bilhetes em geral, bulas de remédio. Os livros já são anacrônicos, já perderam a batalha e a guerra. Os livros já parecem inuteis e velhos como as vitrolas e as ampulhetas. Talvez por isso eu goste tanto deles.

Post a Comment