Thursday, March 07, 2013

   Alguns livros foram fundamentais na minha vida e me salvaram de muito desespero, muita dor, muita solidão e muita feiúra.
   Sempre que eu estive  na beira do abismo, olhando pro céu, pro infinito e sobretudo ouvindo o silêncio ensurdecedor do desamparo total, um livro me apareceu e me salvou do pulo, do barulho dos ossos se quebrando nas pedras sem bilhetes de despedida.
    Por eles eu nutro uma gratidão eterna. Alguns eu reli em momentos menos desesperadores e sorri, outros nunca mais tive coragem. Uns poucos eu ainda possuo, outros sumiram pela vida, abandonaram minhas estantes assim que não se faziam mais necessários.
   Entre eles, existe um muito especial. Era 1986 quando ele chegou na minha vida, com uma dedicatória em código que nunca consegui decifrar e me deixou pra sempre curioso. Foi um presente. E quem me deu me disse enigmaticamente que eu ia entender o código quando estivesse pronto, quando chegasse a hora. Era um livro curto que eu lí em um dia, da primeira até a última página, quase sem respirar. Foi como um milagre. Alguma coisa se abriu bem na minha frente, um outro mundo, uma outra voz. Eu bem que tentei, mas o código ficou mesmo indecifrável. O livro se foi sem que eu percebesse, quando notei já havia sumido, assim como chegou. Pode estar na estante de algum amigo, talvez num sebo qualquer, pode ter ido parar no lixo. Jamais vou saber do seu destino, assim como nunca soube decifrar aquela dedicatória cheia de mistérios. Não vejo o amigo que me presenteou desde aquele tempo, que anda ficando cada vez mais longe. Ele sumiu, assim como o livro e o mistério.
   Eu não me esqueci do livro, ou daquele amigo e daquela dedicatória.
   E agora fico aqui, ansioso esperando que a Amazon me entregue logo o exemplar que comprei essa semana. Sem dedicatórias. Já posso sentir as minhas mãos rasgando o envelope, acariciando a capa, as minhas narinas absorvendo aquele cheiro que só os livros bons possuem, cheiro de coisas inexplicáveis e inatingíveis. Já posso imaginar aquela tipografia no título: Alexis(ou o tratado do bom combate) - Marguerite Youcenar. Porque a vida é abismo e queda.
  E acho que hoje eu seria capaz de decifrar aquela dedicatória.
Post a Comment