Saturday, January 22, 2011

Quantos medos, meu Deus, quantos medos. Que arrastamos por aí feito cruzes ou feito pesadas medalhas nos curvando o peito. E por que tantos medos, meu Deus, se todos sabemos o que nos espera no final da nossa estrada? Lá, quando não haverá medo suficiente, onde todos os medos são inúteis e findam.
Post a Comment