Saturday, August 01, 2009

Eu devia ter sido um poeta romântico, daqueles que escreviam poemas muito longos descrevendo o voar das borboletas, o cantar da aves, o imenso mar oceano. Ou ser assim como um Rimbaud tropical amando os negros de Angola na Bahia. Podia ter levado uma vida de dramas multicoloridos, amores mórbidos, traições horrendas, egoismos sobre-humanos.
Claro que na minha vida, nessa minha vida insana e insensata, nada de colossal acontece nunca e eu estou pra sempre fadado a assistir as pessoas que por ela entram sempre assim meio já se despedindo desde o começo, e eu pra sempre falhe na hora do poema ensandecido, sempre a acenar good bye pros beijos mornos, pros musculos exatos, pra possibilidade de fazer sentido, pros poemas longos sobre o mar oceano.
Ps. Uma garrafa de vinho e eu sou a Ângela Rô Rô, Ângela Diniz, Ângela Maria. Yeah...and it feels good.
Post a Comment